Jornadas eternas em avenidas douradas

A música acima entrou em minha vida e me tocou de maneira inesperada. A letra é, a princípio, apenas mais uma música romântica, mas eu nunca a vi apenas dessa maneira simplista. Entretanto, também nunca consegui expressar o que ela despertava em mim, até ouvir as palavras de um amigo meu sobre ela. Segue:

“Adorei a música, muito inspiradora e profunda (…) Ter um amor livre, incondicional, pelo prazer de amar…sem a recompensa. Acho que a vida tem o amor como propósito sabe, não o amor controlador e doentio, mas o amor puro. Pelo prazer de ter alguém perto, compartilhar os beijos, abraços, as mãos dadas, o silêncio, às vezes a tristeza…”

Minha resposta:

“Gostei muito da sua visão da música. Pra ser sincera, essas músicas extremamente românticas já não fazem mais parte do meu repertório, porém essa tem um tom diferente, né? E eu nunca tinha conseguido ver qual é esse tom, mas acho que agora que você explicitou em palavras, eu sinto que é exatamente isso que você disse mesmo. Não é o amor controlador e doentio, não é o amor que implica em posse, que é, de alguma forma, associado ao medo, à obrigação – é o amor pelo amor, o amar pelo amar, o querer estar por querer estar. É o querer bem simplesmente por querer, e não por querer a pessoa ao seu lado, amarrada à você, como parte integrante de quem você é e acreditando que você é essencial para ela.

Não somos parte de alguém e ninguém é parte de nós.

Não somos donos de ninguém e ninguém é nosso dono.

Somos começo, meio e fim; somos inteiros, não somos metade. Assim como todas as outras pessoas.”

Letra e tradução aqui.

Guest Post: As lições da experiência

Pessoal, hoje é a estreia do nosso primeiro Guest Post!
Como vocês sabem, o Lição de Hoje tem uma categoria chamada “Envie sua Lição“, na qual o leitor nos envia alguma experiência que passou e com a qual aprendeu algo. A nossa leitora de hoje é a Claudya Regyna, que possui o site: http://claudyaregyna.wordpress.com.

——–

Artista: Alessandro Rech

Artista: Alessandro Rech

Lição: ensino de ciência ou arte ministrado em público ou em particular.

Ensinamento, norma de proceder: as lições da experiência.

Advertência, reprimenda: dar, receber uma boa lição.

Independente da forma como você entende o que é lição, o mais importante é o fato de que sempre vem da alma. Seja uma ciência, uma arte, um simples transmitir de experiência, ou um “puxar de orelha”, a lição é uma expressão daquilo que somos, aprendemos e que repassamos por pensamentos, palavras e atitudes.

Diante disso, é bom refletir que tipo de “lição” passamos para as pessoas através do que somos.

Estou passando o meu melhor? Os meus melhores pensamentos, melhores sentimentos, melhores atitudes? Ou estou passando uma lição do “não-ser”: egoísta, triste, mal humorado.

Pense nisso como uma nova lição que trará benefícios para você em primeiro lugar. E como consequência, os outros aprenderão conosco também.

Nome da leitora: Claudya Regyna
Site: http://claudyaregyna.wordpress.com

“O exemplo não é a principal coisa na vida: é a única coisa.” – Albert Schweitzer