Recaídas

Recaídas e caídas que recaem sobre mim
Recaídas que retornam, que retomam, que repetem

Recaídas que cegam, que seguram, que sufocam
Recaídas que apagam a possibilidade do meio termo, do talvez
Que me obrigam a escolher entre o sim ou o não, entre o quente e o frio

Quando na verdade eu sou um talvez, ou, ainda, talvez não

Recaídas e caídas que afogam
Recaídas e caídas que me fazem decidir entre vida ou morte, entre luz ou escuridão, entre dia ou noite

Recaídas e caídas que recaem
E eu, entre o tudo e o nada,
Não escolho nem o tudo,
Nem o nada,
E não percebo que, entre caídas e recaídas
Não sou nem o ar e nem o concreto,
E a não escolha não é uma abstenção
E só recai quem conseguiu levantar novamente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s